Coleção de tesouros

Hoje não vou contar uma estória. Hoje não. Passo a mão sobre a cabeça e sinto maduras as ideias enfileiradas. Meus dedos as tocam como homem descobrindo corpo de mulher pela primeira vez. Fininhas, elas são nuvens; herdadas dos meus pensamentos de tempestade. Sou chuva, sempre gostei de chuva. Sem mim não há arco-íris.
Fico quietinha porque não quero me desfazer das riquezas que não pegamos com as mãos, entende? Não é egoísmo. Aposto que você nunca tocou em nuvem. Se conto uma estória, fico mais pobre: me desfaço de um sonho devaneante. Sonhos são as nuvens da mente.
Não tenho filhos, mas sou mãe de sonhos, e não conheço mãe que abra mão de um filho. Contar uma estória é de certa forma entregar ao mundo um sonho fecundado no ventre da alma. Ela passa a não ser mais só sua, como os filhos crescidos. 
Nuvens, sonhos, filhos. O que têm em comum? São todos fruto de processos: as nuvens, da atmosfera; os sonhos, da fantasia; os filhos, do amor. Sem essas três variáveis, não há estória.
Hoje vou guardá-las para mim… É que coleciono tesouros. 
 
Image
 
Anúncios

Um pensamento sobre “Coleção de tesouros

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s